Educação Inclusiva

Postado por Gabriella em Diversos, Educação

l
A Lei de Diretrizes e Bases da Educação 9394/96 garante o acesso e permanência do aluno com necessidades educacionais especiais no ensino comum. Desde a década de 90 observamos o início do movimento de inclusão do aluno com necessidades especiais de aprendizagem na rede regular de ensino.

Sob a orientação da política de democratização do ensino e da perspectiva de transformação de uma escola para todos, algumas iniciativas são implementadas, tanto na rede pública como nas escolas particulares, com o objetivo de garantir a inserção do aluno com deficiência diretamente no contexto da classe comum em escola regular.

Essas transformações acarretaram um maior acesso à escola por parte dos alunos com deficiências, em decorrência não só do aumento da oferta de vagas e do direito à matrícula compulsória como também da maior conscientização dos familiares na luta pelos seus direitos que estão assegurados por lei.

O maior desafio na educação inclusiva está na preparação dos professores e a adaptação das instituições de ensino para receber esses alunos. Os professores precisam criar formas diversificadas de mediar o acesso ao conhecimento, criar diferentes atividades para toda a turma que abordem um determinado conteúdo curricular.

Mas na realidade o que encontramos são professores despreparados para lidar com as diferentes condições de cada aluno. O acontece muitas vezes é que apesar de estarem em sala de aula, esses alunos especiais são excluídos do conhecimento e não conseguem dar continuidade aos estudos.

Um outro problema muito comum, é que as instituições de ensino não estão preparadas para receber esses alunos especiais. Alguns itens precisam ser revisados. A instituição precisa de adaptação no mobiliário, livros em braile, estrutura física da escola adaptada para receber esses alunos e etc.

A educação inclusiva no Brasil ainda está muito embrionária, se tem muito pouco apoio dos governos. Temos um longo caminho a ser percorrido, muito se fala, mas a realidade é muito diferente daquela garantida por lei.

Fontes: Universidade Estácio de Sá (disciplina – Educação Especial e Site Educador Brasilescola

Gabriella
16.01 2014
Comentários no Facebook
0 comentários
Deixe um comentário
* Não será divulgado